sexta-feira, setembro 27

É pra sempre sim.

Se ninguém nunca te fez sentir isso, então é pra sempre. Se ele coloca como ninguém os pés sujos na cama limpa, e você não reclama, tem algo de eterno. Tem algo de etéreo e sublime em cada gesto, tem algo incrível.

Ela planeja o dia, a semana, o mês. Planeja as horas e o que fará se o planejamento mudar, ela planeja o sorriso quando ele disser, ela planeja o beijo quando ele acordar, talvez seja o momento de abandonar um pouco as agendas, quadros de aviso e despertadores, e viver.




Viver sem esperar, viver sem querer viver, mas não por ausência de vida e muito menos por excesso. Não querer viver o pré determinado, se entregar simplesmente ao viver.

Cuidar mais de si, que do que o cerca. Porque no fim: é você quem vai estar contigo.
Quando o planejamento furar, quando não acontecer, quando for de outro jeito, quando acabar o plano B.

Aceita a vida como é, e se prepara pra vencer, se prepara dentro de si, pra que o de fora possa acontecer, se prepara pro que não veio e pro que vem sem esperar, mas não espere estar preparado, porque o tempo vai passar e você nem vai se ver.

"Não reparei nessa espinha!", "Nem olhei pra essa olheira!". Parece que ter o outro consigo quebrou todos os espelhos e se viu todo o tempo através dos olhos de outrem, que ao contrario que pensava, não queriam o tempo todo te ver. Queriam um não ter compromisso, um 'Bom dia' sem “onde cê tava?”, um Alô sem ressentimento do que não disse noite passada.

A gente demora mas aprende, que se entregar é uma bagunça, tudo dentro desmorona e a gente finge que arruma. Passa sempre aquele pano, que da brilho a superfície, espanador e um incenso sob a luz que ali incide, começando um novo dia, buscando novos quereres.

Quando passar esse amor eterno, você fica com você e se ama como nunca, se descobre outra pessoa, larga a janta, a casa, adulta. Se promete das mil coisas, diz jamais se abandonar, se entregar é idéia longe que novamente não, não vai fisgar.

Mas a vida prega peças, principalmente ao sonhador, que sem ter os pés no chão, canta e dança um novo amor, sai em festa pela noite, grita ao mundo quem amou, diz que foi e será pra sempre e que o outro já passou.

Quanto aquele amor eterno, que jurou para si mesmo, isso é fogo, coisa boba, tudo isso é passageiro. Amor mesmo é pelo outro, amor assim, amor verdadeiro, com seresta e com casório, no alto de um desfiladeiro.

Um amor mesmo, amor eterno? Da uma olhada no espelho. Esse: é o verdadeiro.