segunda-feira, outubro 3

Dinheiro, a maior rede social do mundo.

Me empresta 7 mil reais? Porque não?
Já parou pra pensar no quanto o dinheiro e todo o sistema monetário são virtuais?
A quantidade de dinheiro físico que circula no mundo n±ao chega nem perto, não é nem comparavel a quantidade de dinheiro que circula nas transações do mundo.
O dinheiro é a maior rede social do mundo, é o motivo de milhoes de interações, movimentos, unioes, brigas, todos os dias.

Não há nada mais virtual que a moeda. Ela é apenas uma concepção do querer, do poder, é completamente abstrata e intangivel, nenhum multimilionário tem em casa a quantidade de dinheiro referente a sua fortuna, tão pouco a operadora do cartão de crédito, que opera com numeros, não com moeda. E o banco, também não possui toda essa quantidade de dinheiro que circula pelo planeta. É tudo virtual, facilmente extinguível, um erro de programação em um caixa eletronico deixa um trilhonario miserável por alguns minutos, ou horas, depende do tempo que ele vai levar até o proximo caixa eletrônico e finalmente conseguir sacar o dinheiro.

Exige controle, gerenciamento, inteligencia, afeta emoçoes, valores, o caráter, ossonhos, a vida enfim, esse tal de dinheiro.Tanto poder e sucesso, tanto sofrimento edesespero, rodeados de um só objetivo, que na realidade não existe, é uma alegoria.
Pegue todo o seu dinheiro do banco, saque tudo, cada centavo, todas as contas, aplicações, reservas, tudo, e leve pra casa, coloque sobre a mesa e observe.
Observe que tudo que fez durante a vida, foi movido por pedaços coloridos de papel. Representações da ambição de ter mais do que se pode ter, mais do que se pode ver, mais do que se consegue contar.
Jamais estaremos livres, somos dependentes, viciados sem reabilitação. Continuaremos comprando iPad pra ler jornal na cama e não dando dois reais para o pedinte do sinal, continuaremos envelopando nossos carros, comprando um par de sapato pra cada cor de blusa, um relogio pra cada atividade, vinte bolsas, fazendo o filho vender balas no sinal, vender o corpo, vender a vida, e assim caminha a humanidade